misterio

9 de janeiro de 2009

acho que era caqui.

Daniel

9 de janeiro de 2009

A combinação de alimentos mais esdrúxula que já vi alguém realizar foi gelatina com maionese. O cara realmente apreciava aquilo.

quinto

9 de janeiro de 2009

auheuhaeuhea, lembrei que certa vez cheguei com uma larica monstra, so tinha pão manga e manteiga… fritei a manga na manteiga e coloquei dentro do pão.

Muito bom!

Picolino

9 de janeiro de 2009

R.I.P.
Capanema… o/

Eduardo

9 de janeiro de 2009

Eu me lembro desse post. Mas não desanime Gabriel, você está entrando no ritmo de novo.

Mimi Kiddo

9 de janeiro de 2009

Bizarro! Isso que é humor correr nas veias. Espontâneo, simples e original. Bem bacana seu blog. Bons textos. Sem falar que humor irônico humilha.

moskito

9 de janeiro de 2009

@mistério: ISSO! Caqui! Foda. Eu até tentei achasr o texto nos arquivos do blog dele mas não dei sorte.

Thomas

9 de janeiro de 2009

RIP

Roberto

10 de janeiro de 2009

Me caguei de rir.

carlinhosdudu

11 de janeiro de 2009

Um pêsssego eu entenderia, mas caqui! Caqui não!

YUri

16 de janeiro de 2009

huahuahuaha
muito 10, assim que acabei de ler comecei a rir
o povo daqui da minha sala(tow no trabalho) começou a olhar pra mim… (esse menino é louco?)

10 de maio de 2009

Você é daqueles sujeitos profundos. Não que se acham profundos – profundos mesmo. Devido às maquinações constantes da sua cabecinha, ao longo do tempo você acumulou milhões de questionamentos. Hoje, em segundos, você é capaz de reconsiderar toda a sua existência. A visão de um objeto ou uma fala inocente de alguém às vezes desencadeiam viagens dilacerantes aos cantos mais obscuros de sua alma. Em geral, essa tendência introspectiva não faz de você uma pessoa fácil de se conviver. Aliás, você desperta até medo em algumas pessoas. Outras simplesmente não o conseguem entender.
Assim é também “A paixão segundo GH”, obra-prima de Clarice Lispector amada-idolatrada por leitores intelectuais e existencialistas, mas, sejamos sinceros, que assusta a maioria. Essa possível repulsa, porém, nunca anulará um milésimo de sua força literária. O mesmo vale para você: agrada a poucos, mas tem uma força única.

10 de maio de 2009

Ok, você não é exatamente uma pessoa fácil e otimista, mas muita gente te adora. É possível, aliás, que você marque a história de sua família, de seu bairro… Quem sabe até de sua cidade? Afinal, você consegue ser inteligente e perspicaz, mas nem por isso virar as costas para a popularidade – um talento raro. Claro que esse cinismo ácido que você teima em destilar afasta alguns, e os mais jovens nem sempre conseguem entendê-lo. Mas nada que seu carisma natural e dinamismo não compensem.
“Memórias póstumas de Brás Cubas” (1881) é considerado o divisor de águas entre os movimentos Romântico e Realista. Uma das expressões da genialidade de Machado de Assis (e de sua refinada ironia), há décadas tem sido leitura obrigatória na maior parte das escolas e costuma agradar aos alunos adolescentes. Já inspirou filme e peças de teatro. É, portanto, um caso de clássico capaz de conquistar leitores variados. Proezas de Machado.

Aldo

19 de maio de 2009

HAHAHAHAHAHAH
HAHAHAHAHAHAH
HAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAH
HAHAHAHAHAHAH
hahahaha

Nome:
E-mail (obrigatório, não vai aparecer):
URL:
Comentário: