¿dequejeito?

O Sonho Brasileiro

Postado em 6 de janeiro de 2009

A maioria das pessoas já é familiarizada com a expressão Sonho Americano, que significa, resumidamente, alcançar  a prosperidade. Aqui no Brasil contamos com o nosso próprio sonho, uma versão nacional do molde americano: O Sonho Brasileiro, que nada mais é do que ter a chance de passar a noite dentro de um supermercado.

Toda criança brasileira já vislumbrou a possibilidade de ser esquecida presa dentro de um supermercado, no entanto quase nenhuma conseguiu ou conseguirá realizar isso. Mas existem as exceções, e eu fui uma delas.

O dia que me esqueceram preso dentro de um supermercado
Na verdade foi uma noite, né.

Eu queria jantar mas estava sem comida em casa. Já era bem tarde então fui correndo para o mercado. Consegui chegar a tempo de pegar o mercado aberto. Enquanto efetuava minhas compras, fui notando que o mercado gradualmente se esvaziava ao mesmo tempo que o barulho peculiar dos carrinhos e caixas diminuia, até o momento em que ninguém mais estava lá dentro e o silêncio era quase total.

Por um tempo tive medo, me desesperei, não sabia o que fazer. Mas o desespero foi passando e o sonho de criança foi se tornando realidade diante dos meus olhos. Corri pelos corredores desertos, bebi sucos, comi doces, mexi em panelas e detergentes. Realizei todos as minhas vontades.

Lá pelas quatro horas da madrugada eu já estava exausto, então peguei alguns pacotes de salgadinhos e improvisei uma cama em um dos corredores do mercado. Não precisou muito tempo para que eu pegasse no sono em cima de 5kg de Doritos. Mas alguns minutos após dormir, fui brutalmente acordado por palmas. Era um funcionário do mercado.

— Acorda, vagabundo desgraçado! – dizia ele.

Meu cansaço fez com que eu não conseguisse pensar direito no que estava acontecendo. O funcionário, muito bravo, continuou:

— Tu não pode dormir aí…
— Mas… – tentei me desculpar.
— Muito menos consumir produtos dentro da loja.
— Mas…
— Me acompanhe até o caixa para efetuar o pagamento de tudo que tu consumiu. – e me pegou pelo braço, me levando em direção aos caixas.

A coisa era tão louca que eu desisti de tentar me explicar quando vi que eles haviam colocado uma menina num dos caixas só para me cobrar. E também não quis reclamar sobre o acontecido, pois tive consciência que estava realizando um sonho antigo que muita gente não tem chance de realizar. Paguei tudo com um sorriso na face.

Ao sair do estabelecimento, satisfeito com a  aventura, virei-me para olhar a fachada do mercado. Peguei meu celular e bati uma foto, a fim de ter uma última imagem daquela noite tão feliz.

(foto: Mário Machado)

Sou um vencedor.

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.