¿dequejeito?

No futuro ainda seremos babacas

Postado em 2 de janeiro de 2009

Hoje eu estava assistindo, no Animal Planet, um programa sobre os grandes felinos e constatei que todos os tigres (e demais grandes felinos) que apareciam no documentário possuiam um identificador de plástico preso à orelha. Sabe aqueles identificadores que os pesquisadores prendem nos animais pra ficar rastreando eles e tal? Então, um daqueles.

Isso me remeteu ao quanto o ser humano é babaca, ao ponto de ficar se metendo na vida de outros seres e, principalmente, na vida dos próprios seres humanos.

Peguemos o exemplo dos “ETs”.
Primeiramente, não são ETs. São seres humanos super-evoluídos que vieram do futuro. Eles são uma raça humana mais inteligente, centenas de milhares de anos à nossa frente, possuem a cabeça grande e boca pequena, pois são inteligente e não precisam ficar falando nem escrevendo em blogs para conseguir se expressar. Eles tem o domínio absoluto da tecnologia da viagem no espaço-tempo. Mas a evolução que eles atingiram não foi capaz de eliminar o principal aspecto humano: a babaquice.

Vejam bem, os caras têm uma nave que pode viajar no tempo (é  uma nave, que voa, por que se fosse terrestre eles poderiam voltar no tempo e acabar materializados dentro de uma montanha que existiu no passado, por isso que eles voam, são inteligentes). Aí o que essa raça de humanos super inteligentes faz? Eles voltam no tempo para descobrir como viviam os humanos no passado, pois no futuro não tem You Tube para se fazer esse tipo de pesquisa histórica.

Aí não basta nego super-evoluído viajar pro passado e ficar só olhando. Não! Ele tem que pegar um ser humano, levar pra dentro da nave e enfiar uma sonda no cu do cara. Por quê? Porque ele é um babaca. Um humano super-evoluído do futuro, mas ainda assim babaca.

Se do futuro eu fosse e cabeça grande com boca pequena eu tivesse, eu voltaria pra epóca de Jesus e enfiaria uma sonda nele. Seria demais. Aliás, já devem ter feito isso, só não apareceu na Bíblia, né. A igreja não quer essa publicidade.

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.