¿dequejeito?

Este blog acabou

Postado em 7 de junho de 2007

Deve ter gente vibrando, mas infelizmente não vou acabar com ele. Pelo contrário, acho que vou começar a escrever muita merda (mais do que o normal). Veja bem, caro amigo, com o avanço da web 2.0 o povo que antes ficava esquecido na insignificância de suas pequenas mentes agora pode ter voz e falar o que queria falar há tempos, mas não podia, pois antigamente escrever um comentário requisitava de uns 50 pontos no Q.I.

Agora tá tudo mais fácil na internet e todo mundo pode ser “macho por um dia” e falar mal de algum antigo desafeto ou simplesmente dizer “você é gritantemente sem graça” para um vídeo do You Tube, porque, veja bem, até o You Tube tem comentários.

O Orkut chegou pra tornar qualquer cidadão brasileiro um elemento da web. E isso fez com que os blogs perdessem suas forças. Acho díficil encontrar algum blogueiro que ainda tenha a mesma alegria e vontade de escrever como as que se tinha lá pelo ano 2001 e 2002. Épocas bonitas. Marco Aurélio, boo, Chico Barney, fer, Daniel Lima, Paulo Nunes, os Capanemas. Nessa época Ronald Rios era apenas uma criança, mal pensava em escrever, talvez nem afalbetizado ele era.

Naquela época tinhamos comentaristas legais pra caralho que apenas *comentavam*. E isso que deixava tudo legal. Era uma sociedade onde alguns escreviam, outros criticavam. E tudo era preza, com amizades, brigas, mentiras e crianças pernetas. Agora os antigos comentaristas sumiram e surgiram outros que tem blog também e mais blogs e mais… e a coisa virou desgraça.

Imagine quando o seu time vence a final do campeonato e todos os torcedores vão pra rua com seus carros enfeitados com bandeiras, buzinando e gritando loucamente. Se fosse apenas um carro fazendo isso, a polícia iria o parar para advertir, pois é perturbação pública buzinar sem parar. Mas em uma comemoração a polícia não tem poder o suficiente para advertir a enorme quantidade de carros e seus motoristas felizes. É praticamente a teoria do caos com uma pitada da teoria da relatividade. A internet nos últimos anos virou uma grande avenida onde os usuários passeiam buzinando muito freneticamente e ninguém tem o poder para fazê-los parar.

Daí você se pergunta “Porque esse puto ta falando tudo isso?”.
Seguinte, amiguinho, esse blog já tem muitos anos de vida e ele já foi, no mínimo, umas 6 vezes melhor do que é hoje. E eu sei disso, mas não tento ficar parecendo engraçadinho. Aceito e sigo na doença. Porém é meio triste ver que a grande massa da internet que tinha algo pra falar (mesmo sendo besteiras) se perdeu e no seu lugar tem uma cambada de tapado, metade metido a macho que se beneficia do anonimato pra xingar, e outra metade metido a culto com textinhos super COOL.

Esse blog já me garantiu dois empregos. Uns 20 outros contratos de freelancer com empresas variadas. Já ganhei uma grana boa vendendo uma idéia pra Abril, já vendi minha alma pra Johnnie Walker em troca de quatro passagens aéreas. Atualmente trabalho para o UOL, graças a esse blog. Já peguei um monte de gente por causa dele, já ganhei dinheiro. Já apanhei na rua por causa de coisa que escrevi. Tudo por causa dessa merda de blog, que hoje em dia tá ruim pra cacete, mas nem por isso eu acho que seja hora de desistir.

Apesar de tirar grande proveito das coisas que este blog proporciona a única coisa que me faz pensar na possibilidade de acabar com ele é a mentalidade atual da internet.

Fechem a janela e vão ler um livro.
Ao invés de comentar um post, sei lá, vão olhar pro sol.
Se tiverem um blog, não escrevam sobre coisas da internet nele.
Escrevam sobre a vida real.
E sempre lembrem que existe um rei e ele merece respeito, apesar de não ter dinheiro nem pra comprar uma porra de microfone pro computador. Viado!

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.