¿dequejeito?

Privado: Os feijões mágicos

Postado em 25 de abril de 2007

Quem acompanha este blog há mais tempo deve ter notado que neste mês de abril eu não tirei férias, como é comum fazer todos os anos. Não que eu não tenha tentado, mas quando fui à rodoviária comprar uma passagem para o Rio, o atendente me fez uma proposta irrecusável. Pelo mesmo preço da passagem para o Rio de Janeiro eu poderia levar para casa um pequeno saco de veludo, cheio de feijões mágicos. Não hesitei em comprar tais feijões e voltar correndo para casa, para plantá-los em meu quintal.

Certo dia, um mês depois do plantio, a campainha de minha casa toca. Abro a porta e me deparo com uma manifestação de feijões mágicos protestando contra o quadro do Mr. M no Fantástico. Alguns feijões, mais exaltados, tiravam coelhos de suas cartolas e os atiravam contra policiais que tentavam controlar a situação. Outros feijões, da ala pacifista, faziam truques com pombos e cartas. Mas as coisas não deram muito certo e a tropa de choque conseguiu controlar a manifestação.

Corri para a rodoviária e exigi uma explicação do atendente que me havia vendido os feijões mágicos. Ele me prometeu que nunca mais eu iria ser surpreendido por visitantes indesejados em minha porta, e, por uma quantia relativa à uma passagem para Rio Pardo, me vendeu um maravilhoso olho-mágico.

Hoje o instalei aqui na porta de minha casa. Olhei por ele algumas vezes e não vi nada demais, além da paisagem que habitualmente vejo quando abro a porta. Constatei que talvez esse olho-mágico esteja estragado.
Ah! Aquele maldito atendente…

Cintia Visita: NY

Postado em 24 de abril de 2007

Hoje é terça-feira e toda terça-feira é dia mundial do Cintia Visita. E hoje, no terceiro episódio desta série cheia de mirabolices, Cintia visitará a maravilhosa Time Square, em Nova Iorque. Uma visita que somente a computação gráfica pode proporcionar. Confiram.

httpv://www.youtube.com/watch?v=6mMwbaw_sQo

Flerte mil grau

Postado em 23 de abril de 2007

E no filme da Globo a moça fica nua na frente do Antônio Bandeiras e ele tem as manhas de perguntar: “Você está flertando comigo?”.
Quase tive um treco.

E a Poliça me ligou

Postado em 16 de abril de 2007

Então na sexta-feira a tarde, novamente, meu celular tocou. Olhei na tela é era um número de Porto Alegre, um número de celular. Quando atendi era uma pessoa se identificando como Alexandre, inspetor da Polícia Federal.

Este me interrogou e fez uma puta pressão por telefone, dizendo que a minha banda toda iria ser chamada a depor e o escambau. Ele me pediu o telefone dos organizadores do evento e eu não dei, pois não os tinha. Então ele achou que eu estava acobertando a organização e me ameaçou.

O lance mais esdruxulo foi quando ele começou a falar muito bem e puxar o saco do Banco ********, como se fosse um defensor do banco. Pedi qual era o número do fone dele (mesmo já o tendo) para que eu pudesse procurar alguém da organização e mais tarde lhe ligar para passar o contato. O tal inspetor da Polícia Federal disse: “Agora não posso, estou na rua. Mais tarde eu te ligo”. E desligou.

Obviamente ele não retornou a ligar.
Penso que o cara nem era da Polícia Federal. Hoje mesmo vou esclarecer isso, pois se o cara não tiver ligação com a Polícia, ele vai se foder muito, pois tenho gravado todo telefonema e está na gravação o momento em que ele fala “sou da Polícia Federal”. Acho que o pessoal da Polícia de verdade não vai gostar disso não.

Como pensamos que tudo não passava de ameaças do Banco *********. Fomos para a cidade de Passo Fundo fazer o show. Chegando na cidade arrumamos todos equipamentos, passamos o som e quando faltava poucas horas para o evento começar, o dono do prédio chegou avisando que o Banco ******** havia ligado para ele e que a Polícia Federal também.

Ou seja, não deixaram a gente fazer o show, nem os organizadores fazerem a festa, pois alegaram que todos seriam fichados por “invasão de propriedade”. Voltamos pra casa e contratamos um advogado. Agora a coisa vai ser no nível Sparta do chutão.

Liga pra mim, pro celular

Postado em 12 de abril de 2007

Vou lhes contar a história de como fui ameaçado de processo por duas vezes, em menos de 20 minutos, por dois motivos diferentes.

Sou dono de um site que divulga eventos aqui na minha cidade. Lá pelas seis da tarde o meu celular toca, olhei na tela e o prefixo era de São Paulo. Pensei ser alguém do UOL, para quem trabalho como freelancer, mas não. Era um homem que não lembro o nome, dizendo ser advogado criminalista do Banco *********.

Nota: Vou usar asteriscos no lugar do nome do banco, pois quero esperar eles ligarem de novo para eu poder gravar a ligação.

O camarada me ameaçou de processo por causa de um evento que estava no meu site que informava que uma festa aconteceria no prédio do Banco *********.

Óbvio que não seria dentro da agência bancaria, mas sim no prédio onde fica o banco. Mas o cara não entendeu isso e me ameaçou horrores, fazendo uma puta pressão psicológica para que eu cancelasse a festa. Mas, porra, meu amigo. Eu só estava divulgando, eu não organizei nada. E por mais que eu tentasse falar isso, ele não entendia.

Até que rolou um diálogo pérola que jamais esquecerei:

— O senhor, por favor, não modifique a página em que o evento está sendo divulgado.
— Não?
— Não, pois ela serve de prova para que o senhor possa ser chamado para depor.
— Mas se eu apagar? – perguntei já com a mão no botão “deletar”, obviamente.
— Aí o senhor não terá como prestar esclarecimentos, já que não terá nenhuma ligação com o caso.

HAhaha. A OAB precisava ler isso.
Então deletei a parada e me despedi do advogado, bem cordialmente. Ele foi bastante simpático quando notou que eu estava colaborando. Fim do telefonema.

Nota: Agora, uma coisa que vocês precisam saber é que eu só divulguei essa festa por que a banda que iria tocar no evento era a minha banda.

Então, uns 15 minutos depois da primeira ligação o meu celular novamente toca e na tela lá está o mesmo número de telefone. Pensei que era o advogado apavorado por eu ter deletado a página sobre o evento do meu site. HAhahaha. Mas não!!! Era uma advogada do Banco ********* que não sabia que eu já tinha levado uma ameaça há poucos minutos.

— Senhor Gabriel?
— Sim, sou eu.
— O senhor é responsável pela banda Os Vilsos?
— HAHAhaha. Responsável? (rindo muito) É, digamos que sim. – como se na banda tivesse alguém responsável.
— Sou advogada criminal do ********* e…

Bom, daí veio toda a ladainha novamente, só que desta vez o advogado era mulher e tava muito mais ignorantemente hostil, fazendo ameaças constantes e não deixando eu esclarecer a situação. E desta vez eles queriam incriminar a minha banda por TER ACEITADO TOCAR NO EVENTO.

Sim, meus amigos. Eu expliquei de novo que não era organizador da festa e que a banda só tinha aceitado tocar no evento e nada mais. Então a advogada disse que eu deveria tirar a propaganda da agenda de shows no site da banda e do fotolog da mesma, pois lá haviam várias citações sobre o tal evento. Para evitar maiores confusões eu avisei que apagaria todo conteúdo em que o evento era citado.

Tá. Agora a conclusão.
Até pode ser que a divulgação da festa tenha se expressado mal, pois a mesma não iria ocorrer no banco, mas sim no mesmo prédio onde o banco está localizado. Tudo bem, só que o que eu porras tenho a ver com isso?

O pior é que nem me deixaram explicar isso, pois falavam tri-rápido e ameaçavam mais rápido ainda. A pergunta final é: Posso processar esse povo por assédio moral ou coisa do tipo?

Diálogos com Ronald Rios

Postado em 11 de abril de 2007

Ronald Rios diz:
A internet, bem como o mundo, Tá tudo indo pro buraco.
Aquecimento global é uma benção. É uma forma de Deus usar aquelas, tá ligado, aquelas bengalinhas, e tirar todo mundo de cena.

miskoto diz:
Hahahahaha. O mundo está no seu nível Raimundos, saca? Já foi bom, mas não é mais porra nenhuma. Tá na hora de acabar.

Ronald Rios diz:
Isso! Eu tava pensando isso outro dia.
Você tem que ver se podem melhorar as coisas:
A maior banda… Beatles. Não vislumbra-se nada que supere.
Melhor sitcom… Seinfeld, nada também.
Filmes, tem vários, o meu favorito é o Annie Hall, tem também o Godfather e tal.. tudo velho, nada superável. E por aí vai. A única coisa que supera, é a medicina, e esta só faz aumentar a expectativa de vida. Ou seja, a gente vive mais e mais amargamente.

miskoto diz:
O poder evidente da nossa burrice é nego fazer uma faculdade pra depois tentar descobrir como as pirâmides foram feitas há uns 5 mil anos.

Ronald Rios diz:
Hahahaahahhaha

miskoto diz:
Daí fazem aquela coisa infantil: “Foram os Ets que contruíram as pirâmides. Tudo é um mistério” Hahaha, tipo “Não fui que deixei cair esse vaso de flor não, mãe. Foi o Juca, meu amigo imaginário”.

Ronald Rios diz:
Hahjabhahaha. Porra, eu já apliquei essa!
A minha mãe é toda… toda maluca. Ae eu tava brincando de dar soco no espelho, mas controlado, moderado…

miskoto diz:
Hahahahaha

Ronald Rios diz:
Mas uma hora foi um forte e quebrou a porra toda. Ae ela, antes de eu falar nada: “Foi olho gordo da Nilza.” A Nilza era a vizinha. Haahahaha



Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.