¿dequejeito?

Malhacinha

Postado em 5 de abril de 2006

Hoje eu estava lembrando da minha fase na Globo. O pessoal lá é extramamente chato, mas a comida do bandeijão é boa. O pessoal da produção da Malhação tinha certa inveja daquela novilinha da Band, a Florisbela. Eu nunca entendi o porque. Sempre fui da opinião de que, “ao invés de criticar, faça melhor”. Porque tem muito nego por aí que fica criticando os outros mas na verdade faz tudo isso por inveja.

Na Malhação não era diferente.
Eu lembro que recomendei à produção apostar numa música mais animada, dançante e uma abertura mais descolada. E não aquelas fotos em sequência com um recorte de photoshop mal feito. Mas ninguém me deu ouvidos na época, então me diminui à função que me estava descrita na carteira de trabalho.

Sabe aquelas imagens dos personagens com o fundo manjado laranjão correndo?
Aquelas fotos eram tiradas dentro dos cenários mesmo. Negada não levava ator nenhum pra estúdio com fundo infinito ou ilmunação adequada. Tudo era feito com uma camera digital bagaceira, dentro do set, e muito amadorismo. Cabia ao pessoal da arte tratar as fotos e fazer a abertura rodar. Tanto não funcionava, que podiamos ver vários personagens da abertura em tamanhos altamente desproporcionais uns aos outros.

Agora que eu não tô mais no núcleo deles, os produtores decidiram trocar tudo. A abertura da Malhação até que melhorou, só que colocaram uma música mais lenta do Charlie Brown, o que deveria ser proibido. Se eu tivesse ainda no setor de humor da Globo, cancelaria Malhação, reveria os quadros do caldeirão do Huck e daria um programa só pro Russo. Aliás, se eu fosse o dono da Globo, me mandava embora. Onde já se viu uma empresa séria como a Globo dar dinheiro pra gente feito eu. Mas agosto está aí. E Chico Barney e eu vamos mostrar pra eles como se faz televisão de verdade.

  • Comentários desativados em Malhacinha

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.