¿dequejeito?

Doente – Parte 1 de 3

Postado em 5 de setembro de 2006

Eu estava meio cansado, sem energia, negando sexo pra minha esposa e com vontade zero para as coisas do mundo. Então li em uma comunidade do Orkut que um grande caminhão de cápsulas de guaraná contrabandeado iria chegar na cidade.

Procurei na lista telefônica o número do traficante local e marquei uma pequena compra, nada demais, somente alguns poucos comprimidos para reativar a minha moral e deixar-me mais aceso.

guarana6

Comecei o tratamento, de acordo com o método que aprendi em uma comunidade do Orkut. Sete comprimidos por dia dariam conta da coisa. Logo no primeiro dia do tratamento, me senti tão mais enérgico que tive uma rápida falta de ar seguida de um fulminante ataque cardiaco.

Como sou uma pessoa que já trabalhou na televisão (pra quem não sabe eu era o dublador do Godofredo, do Castelo Rá-Tim-Bum), fui internado no setor dedicado à celebridades do hospital municipal e lá, para minha surpresa, encontrei um antigo amigo de trabalho, que fazia o personagem de Passarinho, no Castelo Rá-Tim-Bum.

Sujeito estranho o Passarinho (que som é esse?). Um tipo meio louco, meio calabresa, com uma tara estranha por enfermeiras e outra por gordinhas de óculos. E por sorte do maldito, lá no nosso setor hospitalar para celebridade tinha uma enfermeira super gorda com uns 7 graus de miopia. Dai o cara se fez na felicidade.

Os dias no hospital não foram muito animados. O Passarinho ficava apertando a campainha de chamar enfermeira a todo momento e, por isso, não consegui dormir quase nada. Por isso pedi para o médico me dar baixa e me recomendar um tratamento em casa. Ele foi camarada e me receitou repouso absoluto e chá de camomila.

Ontem voltei para casa e descobri, numa comunidade do orkut, que se pode comprar chá no Mercado Livre. Então encomendei algumas caixas, coisa pouca, só para acalmar de leve.
Continua…

  • Comentários desativados em Doente – Parte 1 de 3

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.