¿dequejeito?

3. 29 de Julho – Fim

Postado em 29 de abril de 2005

Lucinha e J?nior jantavam em um restaurante. N?o um jantar rom?ntico, ou mesmo agrad?vel. Estavam ali para discutir a rela??o. Um final de semana frio e chuvoso adiou aquele encontro, que poderia ser o ?ltimo. Por?m, como tudo ? finito, conversavam.

— Escute J?nior, eu n?o vou te enganar… eu gostei muito de voc?, mas agora…
— O qu? foi? Fala! O que eu fiz de t?o errado que n?o tem conserto?
— Voc? n?o fez nada, o problema ? comigo. Voc? tem sido maravilhoso todo esse tempo… eu acho que algo em mim mudou…
— Voc? mudou? E quanto a mim? Eu abdiquei da chance de mudar de vida por voc?! Do qu? mais voc? quer que eu desista por voc?? Como voc? quer que eu fique, hein? Dois pontos, til, abre par?nteses?
— Ai, chega! Acabou! — Lucinha explodiu — Quantas vezes voc? vai jogar isso na minha cara? Eu n?o te pedi nada, eu n?o te forcei a fazer nada! Voc? fez o que fez porque quis, t? bom? E p?ra de falar assim! Eu odeio emoticons!
— Voc?… voc? odeia emoticons? — J?nior estava chocado.
— Sim! E tamb?m odeio internet!
— Quer saber? ?s vezes sinto que n?o te conhe?o mais. Voc? mudou muito desde quando nos conhecemos.
— Ah, enfim! Muito obrigada por me entender! Agora at? mais, passar bem!

Lucinha deixou o lugar como um furac?o, misturando-se ao ambiente externo. Na mesa 6 se via apenas um homem desolado fitando o vazio. O infinito come?ou a se desfocar e J?nior logo despertou. Chamou o gar?om e pediu a conta. Come?ou ent?o a relembrar o tempo que passara com Lucinha. Como haviam se conhecido e como n?o se conheciam mais. Seus olhos se enchiam d’?gua quando reconheceram um televisor no canto do sal?o; o fundo verde mostrou o que se passava. J?nior perguntou ao gar?om que voltava com a conta.

— Faz um favor?
— Pois n?o.
— Quanto est? o jogo? Col?mbia e Paraguai, n??
— 1 a 0 Col?mbia. Gol de Cordoba.
— Puta que pariu.

  • Comentários desativados em 3. 29 de Julho – Fim

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.