¿dequejeito?

Somente hoje

Postado em 2 de dezembro de 2005

Nas melhores lojas do ramo, show da maldita banda Os Wilsos, da qual sou guitarrista, em Carazinho – RS. No Krok’s Bar, na cruza da Pátria com a Flores da Cunha. A partir das 23:00h. O show marcará a estreia da turnê “Deus, por que me destes orelhas?” e terá a presença de um baterista de verdade e alguns tiozinhos bêbados alegrando a gurizada.

E aproveitando o mote, estamos disputando um Top 10 no site Bandas Gaúchas. Então quem quiser, fique a vontade para votar na nossa canção para ficar ali entre as 10 mais votadas, e quem sabe assim conseguirmos algum crédito com algum produtor e quem sabe ganharmos dinheiro para que, enfim, possamos contratar musicos de verdade e colocar eles pra tocar no nosso lugar. Obrigado.

  • Comentários desativados em Somente hoje

Coluninha de Cineminha

Postado em 1 de dezembro de 2005

A coluna de cinema voltou e voltou com tudo. Hoje falaremos sobre o filme que acabou de ser exibido na Rede Globo: Lambada – A Dança proibida.

No meio da selva brasileira, Nisa aprendeu com sua tribo a dançar um ritmo sensual e supimpa, é a lambada – a dança proibida. Mas eis que funcionários da Petramco, uma poderosa empresa americana, querem destruir a selva onde Nisa habita. Então Nisa vai para a América a fim de encontrar o presidente da Petramco e salvar sua floresta das mãos dos terríveis americanos.

Lá chegando ela fica perdida e com frio, mas consegue um emprego de doméstica na mansão da família Anderson. Durante as noites Nisa, sozinha em seu quarto, veste uma camisola transparente e invoca, ao som de Beto Barbosa, os rituais indigenas que aprendeu em sua tribo brasileira, a lambada. O filho malandrão dos Andersons, chamado Jason, vê Nisa e todo seu apelo sexual rebolando a bundinha nos 2×2 que medem o quarto da empregada, e convida a pobre indiazinha para ir dançar com ele numa boate. Nisa nem pensa duas vezes para mandar a selva no Brasil se foder e ir pra noite rebolar muito com Jason.

Mas eis que o casal Anderson descobre as falcatruas de Nisa com Jason e expulsam a garota de casa. E Nisa fica novamente numa pior, tendo que arrumar emprego numa casa da luz vermelha chamada Xtasy. Lá Nisa virá puta e aprende com quantos paus se faz o Rock’n Roll. Mas Jason descobre, por meio de sua ex-namorada, que Nisa virou puta e decide ir ver com os próprios olhos ela se puteando. Ele encontra Nisa e, apaixonado, diz que vai tirar Nisa daquele lugar, que vai ficar com ela e não interessa o que os outros vão pensar. Mas antes Jason apanha um pouco do segurança da zona.

Nisa reencontra um amigo seu que também é da tribo no Brasil. O cara é todo sequelado e usa uns pós que fazem umas magias do caralho e fere os inimigos. É chegada a hora de Nisa, Jason e o pajé sequela salvarem o mundo. Nisa explica para Jason que a sua selva está sendo destruida pela Petramco e Jason diz saber do que ela esta falando, pois a queimada das florestas está fazendo a camada de ozônio aumentar cada vez mais. Seguindo o exemplo de Charles Bronson, Magaiver e Steven Seagal, Jason faz o que qualquer herói faria: fala com seu papai e sua mamãe, pedindo ajuda para destruir a Petramco. Os pais de Jason acham a história muito louca e negam ajuda à Jason, Nisa e o Pajé Sequela.

Nisa e Jason decidem parar de transar e começam a treinar para o concurso de lambada do Kid Creole, pois o prêmio deste concurso é a aparição em rede nacional. E se eles aparecerem em rede nacional, Nisa poderá falar para toda América o que a Petracom está fazendo contra sua tribo e sua selva no Brasil. E é lógico que eles ganham o concurso e aparecem na TV e colocam todos os figurantes para dançar a lambada, a dança proibida.

Nisa e Jason falam a verdade sobre a Petramco e convencem todos os americanos a boicotarem a empresa, para evitar a destruição das florestas tropicais. O filme acaba e todos vão para casa descançar os pés e assistir Oliver Beene na televisão.
Nota: 8,9

  • Comentários desativados em Coluninha de Cineminha


Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.