¿dequejeito?

Um escapamento

Postado em 29 de maio de 2004

Marquei com o John Atoshman para ele me buscar na faculdade as 21:00. Ali pelas 22:40 ele apareceu junto com o Portela, e de lá partimos para a sua casa, onde rolaria uma bebedeira seguida de violões.
Ao se dirigir para a casa do John, em seu carro, com o som lacrado numa música de metal fodido (porque o John e o Portela são metaleiros) um estranho barulho começou a ocorrer.

— Cara, que bateria zoada!
— Não é bateria não.
— Acho que furou um pneu.

Diminuímos o volume do som e constatamos que o barulho vinha do lado de fora do carro. Paramos e descemos para checar os pneus. Tudo certo. Nada errado. Voltamos para o interior do carro e seguimos viagem, mas o barulho voltou a aparecer.
Paramos o carro denovo. Desta vez descemos e fomos olhar embaixo do carro. Confesso que nessa hora eu achei que o John tivesse atropelado um veado campestre e ele estava enrroscado nos pneus, ou algo assim.

— Cara, o escapamento tá no chão.
— Como?
— O escapamento. Quebrou.

Pois é, o escapamento estava solto, no chão, arrastando.
Não conheço muito essa parte mecânica dos automóveis. Pra falar a verdade não conheço nenhuma parte de um automóvel. Mas não foi preciso ser um grande conhecedor de mecânica para constatar que aquela peça ali não devia estar no chão.

— Essa coisa aí não deveria estar presa no carro?
— Claro que sim, moskito.
— Pô, então porque ela tá arrastando no chão?

Percebi que o John e o Portela não gostaram da minha pergunta e se negaram a responde-la. O Portela se encarregou de dar chutes no escapamento afim dele cair por completo, pois ainda estava semi pendurado na parte debaixo do carro. Enquanto isso o John ficava falando: “Meu pai vai me matar! Meu pai vai me matar!” repetidamente.
Eu, estava um pouco mais calmo e observando tudo atento, só conseguia pensar numa coisa:

Pra que serve um escapamento de carro?
Pô, o carro até ficou mais bonito sem aquele cano ali atrás. Se não fosse um amassado no parachoque traseiro causado por um chute sem pontaria do Portela, o carro teria ficado perfeito. Aquele cano tirava todo o carisma do carro.

Colocamos o escapamento dentro do porta-malas e seguimos viagem. O ronco do carro até tinha ficado mais legal. Os mano na rua ficavam todos olhando pra aquele Escort roncando forte na avenida. E nós três, John, Portela e eu, ali dentro, curtindo um hardmetal afudê.

Até que enfim tinhamos estilo e todos olhavam para nós. Abaixamos os vidros e lacramos o volume do som. O John fazia o carro roncar bonito cada vez que passava por alguém na rua. E a playboyzada toda ia ao delírio. Estiloso, fera.
Então pensei ainda mais: “Pra que serve a porra do escapamento?” Tudo parece tão legal sem aquele cano feioso. Porque então o carro tinha aquilo pendurado?

No meio de um bairro barra pesada e deserto da cidade o carro resolve apagar e não mais ligar. Não tinhamos telefone algum para tentar contato com o mundo exterior. Apenas alguns meninos com cachimbos na boca circulavam por aquela rua, por isso resolvemos não pedir ajuda e ficar por ali mesmo.

Frio, escuridão e fome. Decidimos empurrar o carro até um beco e dormirmos por ali mesmo. Os três metaleiros dormindo dentro de um Escort.
Claro que não conseguiamos dormir e mantinhamos os olhos bem abertos com preocupação. Ali pelas duas da matina uma coisa apavorante aconteceu: Um morcego louco que ficava perambulando em volta do carro, achou bonito nos assustar, e pra isso batia-se contra o para-brisa. Era assustador.

Hoje pela manhã quando acordamos, caminhamos alguns kilometros até acharmos um telefone público. Chamamos um guincho e fomos para a casa do John explicar tudo para o pai dele que, por sua vez, não acreditou em nada que dissemos, lógico.

“Que história idiota!” disse o pai do John.

Eu também achei uma história deveras idiota. Mas o que eu posso fazer? Foi verdade e, além do mais, ainda nem aprendi pra que serve o maldito escapamento de um automóvel.

  • Comentários desativados em Um escapamento

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.