¿dequejeito?

O negão Branco

Postado em 1 de setembro de 2004

Eu tinha um colega de faculdade que se chamava Branco.
Isso mesmo. Era um nome estranho mas era o único que ele tinha, e talvez isso só o tornasse mais legal, já que ele era negão.
Vai saber o que a mãe dele tinha na cabeça na hora de dar o nome.

Bom, mas o Branco era o presidente do Centro Acadêmico do meu curso e como deveres de um presidente ele tinha que promover festas e encontros regados a drogas e tubaína. Numa dessas o Branco e seus demais secretários, tesoureiro (enfim, todos os manés do centro acadêmico) entram em minha sala e dão o aviso:

— Seguinte, pessoal. Vai rolar uma jantinha. O local ainda não ta definido mas já estamos aqui para convidar todo mundo e passar uma lista de nomes para o pessoal marcar presença.

Dado o recado, o nego Branco disse:

— Agora nós vamos porque ainda temos que passar na outras turmas
— Branco! Posso ir junto?
— Claro, moskito.

Então eu tinha uma desculpa pra poder sair da sala e ainda poderia passear pela faculdade com o Branco.
Chegando na próxima turma o Branco abriu a porta e deu o recado:

— Pessoal, sábado vai ter uma festa na casa do moskito e estamos aqui para convidar todo mundo e passar uma lista de nomes para o pessoal marcar presença.
— Perae, negão. Como assim na minha casa?
— Ué? Não era o combinado?
— Que combinado?
— É só uma confraternizaçãozinha na tua casa moskito.
— (…)
— Não vai rolar bagunça.
— Quantas pessoas?
— Ah! No máximo umas quinze pessoas.

Bom, no dia da “confraternizaçãozinha” rolou que 67 pessoas (eu contei) invadiram minha casa e sujaram meu carpete, tomaram meus sorvetes, roubaram itens de cerâmica da minha mãe e mataram minhas flores. Bom, mas onde eu quero chegar com esse post e no seguinte conselho: Jamais ofereça ajuda ou confie em branco.
Ô raça maldita.

  • Comentários desativados em O negão Branco

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.