¿dequejeito?

Brasil – A Mina de Rolê

Postado em 26 de outubro de 2004

Um texto do Jabor, escrito por mim

O Brasil é uma mina de rolê, daquelas que saem de casa na sexta-feira a noite sem hora para voltar, vão para uma festa e esperam algum cara legal dar uma chegada e dar um migué para, enfim, levar pra algum lugarzinho confirmado e matar a bolinha, dar uma trepadinha jóia.

O cara legal, chamado Lula, teve que pegar dois busão pra chegar na balada. Lá chegando, o cara ficou muito tempo secando a mina. Analisou, ensaiou inumeras cantadas que serveriam para chegar rasgando em qualquer outra mulher do mundo, mas ele não queria qualquer mulher, ele queria a mina de rolê.

Então o cara conseguiu criar coragem, puxar assunto e pegar a mina de rolê. Ela até que se mostrou interessada, mas o Lula é meio lento e não sabe lidar muito bem com a mulherada. Ele até tenta dar uns beijinhos no pescoço, uma cafungada na orelha, uma mão na perna…
Só que a mina tá pra festa, tá querendo é dar uminha na noite e, infelizmente, acaba nem percebendo os pequenos atos de afeto do Lula.

O problema é que a noite tá na metade e ele ainda não comeu a mina. E ela tá doidinha pra dar. E ele tá doido pra comer, mas tá rolando uma certa timidez que atrapalha a fodeção de acontecer.

Enquanto o Brasil tá clamando por, até mesmo, um fisting fuck o Lula ta dando beijinhos e alisando o cabelo. Talvez ela precise amadurecer um pouco, aprender que caras assim bonzinhos e afetuosos, são raros por aí. E são os caras certos para ter uma vida inteira ao lado. Mas isso não interessa. A mina quer dar agora. Então se eu fosse o cara, fechava o olho e pensava: “Enquanto eu tiver língua e dedo nenhuma mulher me põe medo“.

Mas ele tem um dedo a menos e a língua é presa. Aí complica =(
Continua no beijinho ou mete o pau logo, senhor Lula.

  • Comentários desativados em Brasil – A Mina de Rolê

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.