¿dequejeito?

108173348038301421

Postado em 11 de abril de 2004

A morte
Falando em nascimento de Jesus, lembrei hoje de um dialogo que eu ouvi. Eu gosto de ficar atento a tudo que as pessoas estão falando. Eu nem preciso estar no assunto, no meio da conversa, eu me meto só pra ouvir e memorizar tudo, aí então postar no blog.
Se eu vejo uma cena engraçada eu já imagino: Bah! Legal, vou postar no blog. Acho que to viciado nisso.

Mas então: Tinha uma menina, que até é visitante deste blog. Ela tava numa mesa ao lado da minha numa dessas sexta-feiras deste Brasilzão de meu Deus, e eu ali, bicando tudo e anotando mentalmente.

— Ain, cara! Saca que to viva, né.
— Só, gata.
— Issaê! Sabes que só uma coisa está me mantendo viva?
— Pô. O que é, gata?
— A vontade de viver, cara.

É, escrevendo assim não tem muita graça. Mas na hora eu ri.
E teve outra amiga que tava contando uma história sobre suas bebedeiras da vida. Ela é bem baixinha e tal, e eu já tava meio chapado, e ela contando, contando…

— E teve uma noite que eu sai. Voltei pra casa altinha, altinha de bebada…
— Peraê!
— Oque foi?
— Nada não. Estava aqui pensando.
— Pensando no que, po?
— Assim, vocês já notaram que uma empadinha e um quindim tem diferença? Eu sempre pensei que fosse a mesma coisa.

  • Comentários desativados em 108173348038301421

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.