¿dequejeito?

108061694043781166

Postado em 30 de março de 2004

Breithaupt, Schützenfest e coisas do tipo
Lembro-me que em 2001 fui, junto a turma da faculdade, para a cidade de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina. A cidade de Jaraguá é colonizada por alemães e é muito comum você ver Fritz, Froitz, Fruitz, Schmitts e Freuds andando pelas ruas locais.

Porém o que me chamou mais a atenção na cidade é o monopólio exercido por uma família:

A Família Breithaupt
Sim, o nome é deveras estranho. Quando o vi pela primeira vez naquela viagem não consegui dizê-lo e até ontem não conseguia. Veja bem, são muitas consoantes e poucas vogais. Isso torna a palavra impronunciável.

Mas ontem estava falando com a Tarci e ela me ensinou tudo o que eu precisava saber sobre a família Breithaupt.

A família Breithaupt comanda a cidade inteira. Existem os Supermercados Breithaupt, cinemas Breithaupt, mecânica Breithaupt, rádio Breithaupt, Rodocalibradora de pneus Breithaupt, shopping Breithaupt, padaria Breithaupt e até a locadora de DVD’s Breithaupt, com os mais variados títulos do cinema mundial.

Não bastasse a grande concentração de empreendimentos Breithaupt na cidade, a família achou que seu nome não estava tão presente assim na vida dos Jaguarencianos e resolveu criar a Breithauptfest, um festival de preços baixos que ocorre em outubro e faz concorrência direta com os outros festivais do mês: Oktoberfest, Salamefest, Choopfest, Jaraguáfest, Rock’n Rio Jaraguá, etc…

Mas um evento deste mês é tão grandioso quanto o Breithauptfest.
Ele é o Schützenfest. Um festival de atiradores alemães que se juntam para beber muito e atirar em pratos, pássaros e vitrines de lojas da família Breithaupt.

Mesmo com toda essa rivalidade que atormenta a família Breithaupt, o pessoal da cidade é feliz e está sempre bem humorado e saltitante, consumindo os produtos Breithaupt nas lojas Breithaupt.

Tudo muito bonito e feliz, ao contrário do que acontece no intrigante e peculiar município vizinho: Schroeder
Mas aí são outras consoantes…

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.