¿dequejeito?

Histórias de família

Postado em 29 de outubro de 2004

Eu tinha tudo pra ser um grande desenhista, um artista. Mas aconteceu algo na minha infância que me fez desistir dessa coisa de desenhar. E agora vivo meu futuro na mediocridade. Segue abaixo a história.

Lá pelos meus nove anos, meus pais, vendo que eu levava jeito pra ser meio viado, me presentearam com uma bola de futebol da Umbro. Infelizmente eles não conseguiram me desviar do caminho da viadagem pois vendi a bola para um vizinho e comprei um bloco de desenho com o dinheiro.

Mas não era qualquer bloco. Era um bloco francês com 100 folhas de papel sedoso e pró-deslizante de gramatura mínima, confeccionado com folhas e troncos podres de cerejeiras europeias. Uma delícia.

Em dois ou três anos eu já tinha completado de desenhos o tal. Desenhos afetuosos e bem feitinhos, ilustrando com magnitude aquele nobre bloco de papel. Então, já que estava completo, escondi o bloco dentro de um antigo baú para que ninguém achasse e assim minha obra fosse imortalizada em minha casa. Quem sabe no futuro, quando fosse um grande desenhista, mostraria o tal bloco de desenhos em programas de televisão e revistas de arte.

Passado um tempo fui até o baú pegar o bloco para dar uma olhadela e alimentar um pouco minha alma artística. Mas algo estava errado, pois do meu bloco com 100 folhas daquele sedoso papel, só havia sobrado a capa.

Me desesperei. Onde que estavam todos os meus desenhos?
Sim, entra na história o personagem do meu irmão, que no auge de sua liberdade fraternal usou as 100 folhas do meu bloco para fechar baseados que ele fumava com os amigos.

E foi assim que as drogas terminaram com o meu futuro no desenho.

  • Comentários desativados em Histórias de família

Alegria! Alergia!

Postado em

Rapaiz, que sequela. Ontem foi a coisa mais linda de se ver. Bando de designer sem futuro sentados numa mesa de bar bebendo muito e falando sobre os erros nas notícias do jornal Diário da Manhã (aquelas que eu posto aqui as vezes).

Certo momento eu tava sentado numa calçada, caído. Quando levanto a cabeça tem um viado com um pedaço de uma vara de pesca na mão.

— Oh! Rapaz, foi tu que me bateu ali na rua de cima? Me chutou a nuca. Se foi você, vou te bater hein.
— Não fui eu não.
— Então tá bom, tchau.

E hoje é nós fazendo as fita novamente. Sexta-feira. Dia de tomá uma ceva e fumá unzito.

  • Comentários desativados em Alegria! Alergia!

Sensacionalismo

Postado em 28 de outubro de 2004

Virou moda falar da morte do Serginho na televisão. Hoje no programa do Clodovil rolou umas 7 pessoas do meio esportivo tentando conversar com o apresentador sobre a morte do cara. E o Clodovil chegou a dizer que a culpa é do governo porque o futebol não mais um esporte e sim um negócio onde todos são empregados, e o cara só morreu em campo por causa do stress do emprego.

Como ninguém é idiota de discutir com o Clodovil, a opinião dele passou a ser a correta ali no programa. E como o diretor não interferiu ele continuou a falar asneiras (ou viadeiras, como preferir – tum pá psh):

“Eu não gosto de futebol. Não sou chegado. A única vez que assisti um jogo no estádio foi meu pai que me levou. Lembro até hoje do jogo pois foi no mesmo dia que a Eva Peron morreu. Por isso que não gosto de futebol. Me lembra da morte da Eva”

Não perca, a qualquer momento, outro comentário idiota sobre a morte do Serginho, só aqui: No KibeLoco Dequejeito.

  • Comentários desativados em Sensacionalismo

Futevolas

Postado em

No momento que o Serginho caiu em campo eu estava comprando um cachorro quente numa desses carros que vendem lanches. Tinha uma TV em cima do teto e deu pra ver tudo. O narrador da Globo até tentou mas nem conseguiu narrar o gol do Corinthians contra o Criciúma, que aconteceu no mesmo momento em que o Serginho tava detonado em campo, levando respiração boca-a-boca e massagem cardiaca. Isso sim que é uma notícia bombástica: Nunca vi a Globo ser tão desinteressada num gol do timão.

Normalmente é a maior festa. O Corinthians pode estar perdendo de 243 a 0. Basta fazer um golzinho de honra que o narrador da Globo desenterra do dedão do pé o ar para gritar o golaço. É um dos únicos times que perde mas joga bem, sempre.

E ainda temos que conviver com a porra da mídia sensacionalista que aproveita qualquer tragédia para se fazer de santa. Depois de culpar o Morumbi inteiro pela morte do Serginho e dizer que os médicos não estavam preparados para atender o jogador, o Gilberto Barros (da Band) larga a seguinte pérola:

“… E inclusive o futebol força tanto o aparelho respiratório que deveria ter dois aparelhos de respiração.”

Despreparado é tu, ô animal. Vai fazer ibope com a morte da mãe, porra.
Pelo menos rolou uma notícia boa no futebol nacional. Dizia o site do terra: “Inter perde e coloca Grêmio na lanterna”. Genial.

Vai Serginho. :'(

  • Comentários desativados em Futevolas

Postado em 27 de outubro de 2004

Olá Filhadaputada que nos visita. Não é bonito ver o bando de idiota gastando seu dinheirinho conosco? Comprando camisetas com minha circunferência estampada nelas? Nos enriquecendo de maneira rápida e fácil.
A lojinha do dequejeito está funcionando bem. As camisetas que sobraram da pré-venda foram para a lojinha e o modelo pequeno até já esgotou. Agora só sobrou as camisetas grandes para o pessoal ‘maior’ se deliciar.

Por falar em obesidade, me processem, mas o site Perca Peso Mentindo é coisa linda de se ver. Nunca fui dono de uma coisa que desse tanta visita e rendesse tantos e-mails agradecendo pela idéia. Claro que sempre tem os imprevistos, como ontem, quando invadiram a conta do Gaybriel e mudaram o redirecionamento. Mas nada que um e-mail educado falando em bom inglês quem eu sou, e com quem eles estavam lidando, não fizesse os caras do redirecionamento tremerem e voltarem a apontar pro lugar certo.

Sobre as eleições pro fã-clube do Gaybriel: Recebi algumas candidaturas por e-mail mas esse pessoal é muito fraco. Tem que se mostrar um fã histérico e meio viado pra poder disputar a parada. Senão a porra do fã-clube continuará as moscas.

Acho que esse é o texto que eu mais tive dúvidas quanto ao emprego de crases as palavras. Putaqueopariu.

E, por fim, os comentários. Continuem assim. Puxando o saco e sem criar briguinhas nem xingar ninguém. Então ninguém ficará chateado com vocês. Obrigado, bando de viado. Comprem nossas camisetas e continuem pagando pau.

  • Comentários desativados em

Negadinha esperta do meu Brasilzão

Postado em

Alguém entrou rasgando na minha conta de redirecionamento de domínio e desviou o caminho para o Perca Peso Mentindo.

O site tava fodão demais. Com mais de 5000 acessos por dia. Agora o endereço www.emagrecer.tk tá apontando para uma página em construção no Hpg. Roubaram-nos o endereço e as chances de nós aparecermos no Jô Soares ou em alguma revista que se aproveite dessas modinhas de internet.

Uma merda. Estamos tentando entrar em contado com o pessoal do TK mas não acredito que eles arrumem as coisas. Então o Perca Peso Mentindo está praticamente derrotado, já que é foda re-educar todo o povão pra visitar o novo link do site, depois de centenas de forwards de e-mails que o pessoal gordinho mandou para seus amigos com a mensagem “Olha que site legal. me amarrei”. Agradecidos.

UPDATE: Arrumaram. Voltou ao normal.

  • Comentários desativados em Negadinha esperta do meu Brasilzão

Indigna Indignação

Postado em 26 de outubro de 2004

Estou a mais de um mês enviando quase que todo o santo dia envelopes com camisetas para os mais variados lugares do Brasil. Sempre mando os envelopes como encomenda normal registrada e pago 5 reais por cada postagem. Hoje fui até a mesma agência de correio que vou quase todo o dia, porém um pouco desajeitado. cabelo despenteado, bermudão estilo Chorão, camiseta do Wonkavision toda escaralhada e chinelão havaianas branca com tiras azuis.

Chegando no guichê, a atendente me deu uma olhada de cima a baixo com um certo teor de nojo. Então eu cumprimentei educadamente:

— Boa tarde. Queria postar como encomenda normal registrada.
— E?
— E só isso.
— O que tem dentro do envelope?
— Oi?
— O que tem dentro do envelope?
— Como assim?
— Preciso saber o que tem dentro pra poder liberar.
— Ué. Tem uma camiseta.
— Camiseta não pode enviar. Só se for por sedex
— Quanto?
— Doze reais cada.

Acontece que ontem mesmo eu fui a mesma agência e postei um envelope muito maior do que eu levava hoje, com duas camisetas dentro, e paguei apenas 5 reais. O que mudou de ontem pra hoje? Porque ontem eu podia mandar os envelopes como se fosse uma carta normal e hoje fui obrigado a enviar como sedex. A atendente disse que os correios só aceitam papel e camiseta não é feita de papel.

Mesmo tentando convencer ela de que eu envio a mesma coisa todo o dia e somente hoje essa nova regra surgiu, ela não abriu a guarda e não me deixou enviar. Como não tenho a manha de gastar 24 reais pra mandar duas cartas, voltei pra casa sem poder postar as camisetas.
Absurdo. Lamentável. Preconceito.

UPDATE: Pedi para o meu pai ir até a mesma agência com os mesmo envelopes e ele conseguiu postar as duas camisetas sem problema algum.

  • Comentários desativados em Indigna Indignação

Brasil – A Mina de Rolê

Postado em

Um texto do Jabor, escrito por mim

O Brasil é uma mina de rolê, daquelas que saem de casa na sexta-feira a noite sem hora para voltar, vão para uma festa e esperam algum cara legal dar uma chegada e dar um migué para, enfim, levar pra algum lugarzinho confirmado e matar a bolinha, dar uma trepadinha jóia.

O cara legal, chamado Lula, teve que pegar dois busão pra chegar na balada. Lá chegando, o cara ficou muito tempo secando a mina. Analisou, ensaiou inumeras cantadas que serveriam para chegar rasgando em qualquer outra mulher do mundo, mas ele não queria qualquer mulher, ele queria a mina de rolê.

Então o cara conseguiu criar coragem, puxar assunto e pegar a mina de rolê. Ela até que se mostrou interessada, mas o Lula é meio lento e não sabe lidar muito bem com a mulherada. Ele até tenta dar uns beijinhos no pescoço, uma cafungada na orelha, uma mão na perna…
Só que a mina tá pra festa, tá querendo é dar uminha na noite e, infelizmente, acaba nem percebendo os pequenos atos de afeto do Lula.

O problema é que a noite tá na metade e ele ainda não comeu a mina. E ela tá doidinha pra dar. E ele tá doido pra comer, mas tá rolando uma certa timidez que atrapalha a fodeção de acontecer.

Enquanto o Brasil tá clamando por, até mesmo, um fisting fuck o Lula ta dando beijinhos e alisando o cabelo. Talvez ela precise amadurecer um pouco, aprender que caras assim bonzinhos e afetuosos, são raros por aí. E são os caras certos para ter uma vida inteira ao lado. Mas isso não interessa. A mina quer dar agora. Então se eu fosse o cara, fechava o olho e pensava: “Enquanto eu tiver língua e dedo nenhuma mulher me põe medo“.

Mas ele tem um dedo a menos e a língua é presa. Aí complica =(
Continua no beijinho ou mete o pau logo, senhor Lula.

  • Comentários desativados em Brasil – A Mina de Rolê

Caro(a)

Postado em 25 de outubro de 2004

Você está acima do seu peso ideal? Você quer perder quilos de forma rápida e não quer parar de comer para que isso aconteça? Nós temos a solução.

Uma equipe de conceituados humoristas nacionais se reuniu para desenvolver um método eficiente e rápido para perda de peso. Em pouco menos de 7 meses, eu, Chico Barney e o Sr. Magasin, criamos mais do que um site completo, mais do que um site de apoio, mais do que um método. Criamos uma nova forma de pensar e agir, criamos o Perca Peso Mentindo.
Não seja salame e faça esse favor para a triplice coroa do humor virtual. Visite o Perca Peso Mentindo antes que nos processem e tirem ele do ar.

Caboong!!
Os Wilsos foram citados pela 6ª vez no mês de outubro na mídia. Desta vez foi na coluna sobre música independente da Dona Ivy, em seu site.
Foi o release mais fofinho de todos os tempos. Nossa banda agradece.

Saiu outro texto meu na Pensata da Folha de São Paulo do Guia Tucunduva – aquele site que eu mesmo fiz só para fingir que meus textos são publicados em algum lugar sério ficar famoso. O texto dessa vez é sobre o Coelho João, meu bichinho de estimação.

  • Comentários desativados em Caro(a)

Cinema por quem não entende nada de cinema

Postado em 24 de outubro de 2004

O final de semana foi chuvoso e demorado, logo aluguei 7 filmes para ver. Vou relesear dois deles e recomendar outros dois.

Assisti RayMan, com o Tom Cruise e o Dustin Hoffman. Excelente filme, valeo a pena ver pela 8ª vez. E o The Royal Tenenbaums que se mostrou a coisa mais foda da semana. Os primeiros minutos são até chatos, pois o diretor tem um jeito parado de filmar as cenas, mas depois você entrar na história e não consegue mais parar de ver. Muito bom. Não vou relesear os dois pois, o RayMan é antigo e não teria tanta graça contar o final, e o Tenenbaums é uma história complexa demais pra contar.

Durval Discos
A idéia é boa, gostaria que alguém tivesse chegado até mim e dito: “Faça um filme sobre um cara que vende vinil numa loja e se mete numa encrenca por causa de um sequestro”. Eu faria o filme muito melhor do que ele foi feito. Aliás, até um lagarto vesgo sem uma das patas faria um roteiro melhor do que o roteiro do Durval Discos. Venderam uma falsa idéia na capa. Quando vi aquela capinha praticamente psicodélica, pensei que fosse a versão brasileira do Alta Fidelidade. Quando assisti oque vi foi a história de um vendedor de vinil que contrata uma empregada para ajudar sua mãe. Só que a empregada é uma sequestradora que só quer o emprego para manter uma menina rica em cativeiro. A empregada morre e o Durval e sua mãe ficam com a menina. Quando descobrem que a menina é uma vitima de sequestro a mãe do Durval fica louca e mata todo mundo. Durval chama a polícia e entrega sua mãe. O filme acaba.
Detalhe especial para a cena em que um comprador entra na loja e pede um disco do Chico Buarque. O Durval, pra mostrar que entende de música, coloca sua mãe pra cantar “A Banda” pro comprador. Lamentável.

Vanilla Sky
Salve Tom Cruise, o cara mais gato do mundo. O único que é bonito ao acordar e corre mais rápido do que qualquer outro ator dos Estados Unidos. Bom, o Tom é um cara muito rico que tem tudo que quer. Ele conhece a mulher da sua vida, mas no dia seguinte ele sofre um acidente de carro e fica todo deformado. Então ele vai até uma empresa de congelamento criongênico e pede para ser congelado. Ele também compra um pacote extra que permite viver uma vida de mentira neste tempo de congelamento. Então o filme é sobre essa vida de mentira, uma vida perfeita, onde Tom não é deformado e tem o amor da menina que ama. Mas algo da errado e ele começa a sofrer uma especie de loucura, até que mata a menina que ama e é preso. Mas como tudo é um “sonho”, ele pede o suporte técnico e consegue se livrar deste pesadelo.

  • Comentários desativados em Cinema por quem não entende nada de cinema


Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.