¿dequejeito?

107226391090939239

Postado em 24 de dezembro de 2003

Que se foda toda essa histórinha
Como que alguém se importasse com um cabeludo mágico que viveu há uns 2000 anos. Então chega aquela pessoa manjada que todo natal diz a mesma coisa e larga sua máxima: “O Natal não é só presentes! Devemos lembrar quem morreu para nos salvar!”.

Que se foda quem morreu para nos salvar. Que se foda toda essa histórinha que nos é contada, seja ela verdadeira ou falsa. Não importa se o Natal celebra o nascimento de Jesus ou o aniversário do Papai Noel. O que o Natal significa não interessa.
O que realmente importa é o que o Natal faz.

O senso de caridade nesta época aumenta. É claro que aquela pessoa chata vai voltar só para falar: “Mas todos devem ser caridosos o ano todo”. Não, porra! Não tem!
Durante o ano é cada um por si e o resto que se foda. Tenho um amigo que diz: “Socialismo só com as coisas dos outros. O que é meu, é meu!”. Frase genial, digo eu.

O Natal é capaz de mudar tudo isso. As pessoas ficam mais felizes e realmente ajudam o próximo, o próximo e o próximo. Então, o que eu quero dizer é: Foda-se o que significa ou o que representa. Não to nem aí se um cabeludo que fazia alguns milagres tá fazendo aniversário ou se o Papai Noel vai aparecer lá em casa. O Natal conseguiu ultrapassar isso. Ele é muito mais.

Então pegue sua grana aí no bolso, vá até uma agência dos Correios. Lá tem um mural com cartinhas que crianças sem boas condições financeiras escreveram para o Papai Noel. São pedidos simples, peças de roupa, brinquedinhos, doces…
Adote uma cartinha, compre o presente e leve até o Correio.

A criança não vai nunca saber quem foi que bancou o presente, você vai ser um anônimo ajudando o próximo, mas acima de tudo, uma pessoa ajudando o Natal a permancer acesso.

Issaê! O post sério do ano!

  • Comentários desativados em 107226391090939239

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.