¿dequejeito?

105948274033447503

Postado em 29 de julho de 2003

Mais uma história real cheia de coisas absurdas (leia somente as últimas 10 linhas caso tenha preguiça de ler todo texto)

Então ontem a noite minha mãe me avisou que hoje pela manhã eu deveria ir até o posto de saúde de meu bairro e fazer uma consulta com o médico (uns examizinhos para saber se eu estou totalmente curado da doença fulminate que me atacou há alguns dias). É claro que eu bati o pé, mostrei respeito, disse “Não!” e nem sequer esperei ela mais falar algo que me fizesse mudar de idéia.

Oras, estou de férias e ela quer me mandar pro médico? Onde já se viu.
Médico, Dentista, Urologista é lugar para se ir enquanto se está em período de trabalho. É uma forma remunerada e inteligente de faltar trampo e não levar puxão de orelha do chefe.
Então eu disse que não iria a médico nenhum e queria ver quem iria me fazer dizer o contrário. Vamos ver quem é que manda.

E, de fato, eu vi quem é que manda
Hoje, 7 horas da matina eu estava num banco gelado de um posto de saúde esperando o médico chegar. Na parede tinha um cartaz desses do governo federal que enfatizava o uso da camisinha: “Jovem, use a camisinha!” ou algo assim, ao lado deste havia o celebre cartaz das forças armadas e o alismatento militar: “Jovem, aliste-se!” ou algo assim.

A atendente? (como se chama uma mulher que fica lixando as unhas e chama seu nome para ser atendido pelo médico?). Bom, a atendente quis ser simpática (ou talvez só estivesse cumprindo seu trabalho chato de orientar as pessoas mais jovens) e começou a falar comigo (tenho que parar de abrir parênteses neste paragrafo).

— Olá jovem! Você já se alistou?
— Já sim, escapei do serviço militar por causa de um “probleminha”.

O Probleminha
Isso é verdade. Eu escapei do serviço militar por causa da lordose na minha coluna. Era uma manhã gelada e chuvosa aquela da inspeção, mas eu estava lá, meio a outros jovens, só de cueca e fazendo exercícios físicos sem sentido. O cara de farda olhou pra mim e disse: “Vai pra casa, garoto! Você tem lordose”. Eu fiquei feliz por ter lordose e não precisar ir morar longe de casa por alguns meses ou quem sabe me meter numa guerra. “Mas antes de ir embora, passa ali na frente e paga a taxa” disse o senhor de farda num último resmungo.
É isso aí, não fui para o exercíto mas precisei pagar uma taxa idiota e fazer o juramento a bandeira, no qual prometi estar a disposição de meu país caso ele fizesse uma burrada e se metesse numa guerra para defender os Estados Unidos.

Voltando ao papo com a atendente
— Oi? Você tá me ouvindo?
— Ah, desculpa! É que eu estava recordando como foi a minha inspeção militar. Deu um flashback na minha mente. Mas sobre oque nós estavamos falando mesmo?
— Eu perguntei se você já iniciou a sua vida sexual.
— Hein?
— Sua vida sexual.
— Ah, sim… masturbação conta como vida sexual?
— Conta, mas neste caso estou falando de sexo com alguma menina.
— Ah! Não. Eu sou gay.
— Gay? (disse ela espantada)
— Sim, por isso não me aceitaram no serviço militar.

Pronto, já tinha feito minha parte e sabia que a atendente não iria mais me amolar com estes papos de “Jovem, se cuida ou a casa cai!”. Por fim esperei por meia hora e o médico não chegou. Disse para a atendente que ia dar uma voltinha e respirar um “ar puro e colorido desta manhã cativante” e já voltava. Fui embora. Cheguei em casa, disse para minha mãe que deu tudo certo e eu não vou morrer ainda.

Moral da história
Minha mãe ficou feliz por eu não estar doente.
Eu fiquei feliz por não ser examinado por um médico.
A atendente ficou feliz porque eu não voltei lá.
O médico ficou feliz porque não vai precisar examinar ninguém.
As forças armadas ficaram felizes porque eu paguei a taxa.

Então, não quero influenciar ninguém mas preciso dizer, mintam sempre e todos serão felizes. Mintam na escola, no trabalho, no posto de saúde. Mintam para seus pais e para seus amigos. Mintam para seus leitores. Todos ficarão felizes.

(Aposto que você só leu as última 10 linhas deste enorme texto e agora vai ver nos comentários se alguém leu tudo e fez um resumo ou quem sabe uma resenha sobre o post. Me faça feliz e comente como se você tivesse lido tudo. Mintam para mim, obrigado!)

Este é o blog de Gabriel Von Doscht, um rico empresário que largou tudo para se dedicar ao seu verdadeiro dom: fazer pulseirinhas.

Arquivos

Coisas do tempo em que o autor não sabia escrever.